Skip to main content
Resources

Transferência: contrato material de terceirização

Esta página também está disponível em:

Por favor, observe que a versão em inglês de todo o conteúdo e dos documentos traduzidos são versões oficiais e que as traduções em outras línguas são apenas para fins de informar.

Um contrato material de terceirização é definido como qualquer contrato de terceirização relacionado a qualquer função crítica (conforme definição na especificação 10, seção 6 do contrato de registro) do TLD.

A alteração em um contrato material de terceirização significa a mudança de qualquer operador de registro de back-end (também conhecido como provedor de serviços de back-end ou provedor de serviços de registro), definido pelo processo de transição de registro como uma organização contratada por um operador de registro para realizar uma ou mais das funções críticas de um registro de gTLD , e inclui provedores de serviços como provedores de DNS . Nesta página e no guia fornecido abaixo, qualquer provedor de uma ou mais funções críticas de um gTLD (conforme definido no contrato de registro) será conhecido como provedor de serviços de registro.

Se um operador de registro estiver pensando em uma mudança de controle E em um contrato material de terceirização, ele deve começar a trabalhar com a ICANN desde o início, antes de concluir a transação. Somente o operador de registro contratado atualmente pode solicitar formalmente um contrato material de terceirização. No entanto, recomendamos que tanto o operador de registro atual quanto o proposto trabalhem de forma colaborativa com a ICANN para processar as transferências.

Ao avaliar um contrato material de terceirização: mudança de provedor de serviços de registro, a ICANN poderá encaminhar o provedor de serviços de registro proposto a um painel de avaliação técnica. O operador de registro seria responsável pelas taxas aplicáveis.

Ver a página principal de transferências

Domain Name System
Internationalized Domain Name ,IDN,"IDNs are domain names that include characters used in the local representation of languages that are not written with the twenty-six letters of the basic Latin alphabet ""a-z"". An IDN can contain Latin letters with diacritical marks, as required by many European languages, or may consist of characters from non-Latin scripts such as Arabic or Chinese. Many languages also use other types of digits than the European ""0-9"". The basic Latin alphabet together with the European-Arabic digits are, for the purpose of domain names, termed ""ASCII characters"" (ASCII = American Standard Code for Information Interchange). These are also included in the broader range of ""Unicode characters"" that provides the basis for IDNs. The ""hostname rule"" requires that all domain names of the type under consideration here are stored in the DNS using only the ASCII characters listed above, with the one further addition of the hyphen ""-"". The Unicode form of an IDN therefore requires special encoding before it is entered into the DNS. The following terminology is used when distinguishing between these forms: A domain name consists of a series of ""labels"" (separated by ""dots""). The ASCII form of an IDN label is termed an ""A-label"". All operations defined in the DNS protocol use A-labels exclusively. The Unicode form, which a user expects to be displayed, is termed a ""U-label"". The difference may be illustrated with the Hindi word for ""test"" — परीका — appearing here as a U-label would (in the Devanagari script). A special form of ""ASCII compatible encoding"" (abbreviated ACE) is applied to this to produce the corresponding A-label: xn--11b5bs1di. A domain name that only includes ASCII letters, digits, and hyphens is termed an ""LDH label"". Although the definitions of A-labels and LDH-labels overlap, a name consisting exclusively of LDH labels, such as""icann.org"" is not an IDN."