en

Envolvimento de empresas e a transição da administração da IANA

16 November 2015
By Christopher MondiniChristopher Mondini

Business Engagement and the IANA Stewardship Transition

Um momento de muito movimento

Os últimos vinte meses foram extremamente movimentados para a comunidade da ICANN e para os departamentos de Participação Corporativa e de Participação de Partes Interessadas da América do Norte na ICANN. Deixem-me explicar por que.

Em março de 2014, o Departamento de Comércio dos Estados Unidos anunciou sua intenção de transferir a administração da IANA (Internet Assigned Numbers Authority, Autoridade para Atribuição de Números na Internet) para a comunidade global de partes interessadas. Isso envolveria o encerramento do seu contrato sem taxas com a ICANN para coordenar funções técnicas relacionadas aos nomes de domínio, endereços numéricos e parâmetros de protocolo relacionados.

Antes desse comunicado, o departamento de Participação Corporativa na Internet consistia basicamente para explicar o quanto o trabalho da Internet é importante para qualquer empresa que usar a Internet. Ele era voltado para incentivar uma participação maior e mais diversificada no modelo de múltiplas partes interessadas que forma o futuro do Sistema de Nomes de Domínio (DNS). Os diretores de tecnologia e as equipes técnicas das empresas geralmente estão cientes de sua dependência das funções da IANA, mas frequentemente não percebem que o desenvolvimento de futuras políticas de endereçamento depende da comunidade de voluntários reunidos pela ICANN.

Trazer mais vozes diversificadas para a mesa pode ser um processo trabalhoso. Uma vez, um CEO me disse, referindo-se à Internet global: "Vou chamar você quando não estiver funcionando". Por sorte, ele não me ouviu dizer baixinho: "esse só quer pegar carona". No fim das contas, consegui convencer ele a se inscrever para o boletim informativo da ICANN!

Essa situação mudou desde o comunicado do governo dos EUA em março.

Ampliando o círculo

Primeiro, várias empresas começaram a se envolver ativamente para ajudar a formular as propostas de transição. Empresas como Cisco, Oracle e GoDaddy entraram no comitê que estava desenvolvendo a proposta de transição propriamente dita, enquanto empresas como Yahoo! e Google se inscreveram como observadores, orientando as propostas acompanhadas a fim de aprimorar os mecanismos de responsabilidade da ICANN. Esses grupos dedicaram centenas de horas (mais de 600 horas distribuídas entre 363 teleconferências ou reuniões) e os resultados serão disponibilizados para comentários públicos nas próximas semanas.

Além das empresas individuais, grupos comerciais representando milhares de organizações enviaram comentários públicos para compor as propostas em todas as etapas. A Câmara do Comércio dos EUA, a SIIA (Software and Information Industry Association, Associação do Setor de Software e Informação), a Internet Association e o ITI (Information Technology Institute, Instituto de Tecnologia da Informação) são apenas alguns exemplos notáveis.

As empresas emitiram declarações de apoio elogiando as ações do Departamento de Comércio e apoiando o processo de transição. Organizações, como a AT&T, Microsoft, Intel, Verizon e a Motion Picture Association, entre outras, também opinaram sobre o assunto.

Por fim, um grupo de empresas que demonstrou interesse recentemente nos convidou para explicar como funcionava o modelo de múltiplas partes interessadas da ICANN. Isso nos permitiu mostrar a ligação entre as funções da IANA das quais essas empresas dependem e a importância da participação delas na ICANN para elaborar as políticas futuras.

Com isso, ampliamos o círculo de partes interessadas comerciais com entendimento sobre esse assunto. Empresas de diversos segmentos, como a IBM, Accenture, NewsCorp, MasterCard, Salesforce e Federal Express agora acompanham a transição e solicitaram atualizações regulares sobre o progresso da comunidade. Na última vez que contamos, 93 novas empresas já tinham participado em apresentações individuais como essa.

Qual é o futuro para as partes interessadas corporativas?

Embora outros grupos de partes interessadas, incluindo a comunidade técnica global, os grupos da sociedade civil, os usuários da Internet e governos do mundo todo, tenham participado do processo de transição, estou escrevendo este blog para falar sobre negócios, principalmente sobre as empresas sediadas nos EUA, porque elas terão um papel importante na transição da administração da IANA.

Depois que o trabalho da comunidade da ICANN for concluído, as propostas serão entregues ao Departamento de Comércio dos EUA para serem revisadas pela NTIA (National Telecommunications and Information Administration, Administração Nacional de Telecomunicações e Informações). O Congresso dos EUA também já indicou seu interesse na transição. Uma vez que o setor corporativo dos EUA é uma parte interessada importante em Washington, seus representantes certamente terão algo a dizer sobre as propostas de transição.

O que isso significa para o futuro da participação corporativa na ICANN? Acredito que conseguimos reduzir o número de "pessoas que pegam carona" quando atraímos a participação de empresas para o trabalho de transição. Também ajudamos organizações do setor privado a testemunhar de perto os trabalhos do processo ascendente de políticas. O grande desafio que temos à frente será manter essas empresas participando ativamente na comunidade.

Os sinais são positivos. Em nosso encontro público em Dublin no mês passado, todos os três grupos constituintes que fazem parte do Grupo de Partes Interessadas Corporativas receberam inscrições de novos membros. Uma sessão para dar as boas-vindas aos novos membros do setor corporativo foi assistida por 100 pessoas e contou com várias perguntas para o nosso painel composto por veteranos na ICANN.

Uma série de questões relacionadas a empresas estão sendo discutidas na ICANN. Essas questões variam desde assuntos técnicos e relacionados à segurança, a tópicos referentes a procedimentos e políticas. Nos próximos meses, vamos trabalhar com a comunidade para receber os novos participantes corporativos nesse trabalho tão importante e promover a integração deles. Perderemos essa oportunidade se não conseguirmos converter os atuais níveis de interesses em uma participação consistente. A qualidade do trabalho da ICANN, a integridade da comunidade e a sustentabilidade da organização dependem disso.

Christopher Mondini
Vice-presidente do departamento de Participação de
Partes Interessadas Corporativas Globais e da América do Norte

Authors

Christopher Mondini

Christopher Mondini

Vice President, Stakeholder Engagement & Managing Director, Europe
Read biographyRead biography